Notícias 16 Novembro 2020

Micro e pequenos negócios apostam em parcerias e apoio para retomada econômica

O caminho até a recuperação total da economia ainda é longo. Mas desde o início da pandemia, decretado em março deste ano, empreendedores de micro e pequenas empresas começam a mostrar mais otimismo nessa reta final de 2020, principalmente pela reabertura dos estabelecimentos. Em uma pesquisa realizada no final de setembro pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), 83% dos entrevistados apontaram que os pequenos negócios já estavam de portas abertas – em junho, um levantamento apontava que esse número chegava a 76%.

Ainda segundo os dados, a queda no faturamento passou de 70% em abril para 36% no final de setembro. Segundo especialistas, a situação ainda não é a ideal, mas já tem mostrado melhoras. A 8ª Pesquisa de Impacto do Coronavírus trouxe também que 10% das mais de seis mil micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEIs) ouvidos em todo o Brasil estão faturando mais do que antes da pandemia. Cerca de 39% das empresas lançaram novos produtos e serviços por causa da crise e 43% ainda relatam dificuldades em meio à doença. Mas o sentimento é de que o pior já passou.

“As pesquisas do Sebrae me levam a ficar otimista com a retomada. Quando você começa a retomar contratação, quando você busca mais crédito há uma expectativa de crescimento. Além disso, o estoque de dívida diminuindo também deu um ‘chacoalhão’ que vai mudar muito a vida do empresário da micro e pequenas empresas”, acredita o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

O momento atual, segundo ele, é de reflexão. “A partir de agora, os empresários devem ter mais atenção e zelo com o cliente. Os protocolos estão levando para esse lado, de fidelizar o cliente. Ter cuidado com higienização dos produtos, com a vida dos funcionários, tudo isso pode ser uma resposta na saída da pandemia.”

Melles revela que o Sebrae apostou em ações conjuntas durante a doença. “O melhor ativo que tivemos foi a capacidade de nos adaptarmos ao digital, esse talvez tenha sido uma das mudanças mais importantes para as micro e pequenas empresas no Brasil. Aliado a isso, fizemos parcerias com grandes plataformas. Outro diferencial foi fazermos uma campanha maciça incentivando as pessoas a comprarem dos pequenos, no bairro, de quem está perto de você. E o Brasil teve uma grande felicidade de não ter nenhuma crise de abastecimento. Quantidade, qualidade, bons preços, isso deu tranquilidade e paz”, avalia.

Dificuldades

Mas nem sempre esse caminho é fácil. Ana Perroni tem uma lojinha na Chapada dos Veadeiros (GO), onde vende roupas, acessórios e produtos naturais. O empreendimento de Ana já funciona há alguns anos, mas ela ainda sente falta de um olhar mais voltado para empreendedores de micro e pequenas empresas, assim como ela.

“Sempre se dá mais atenção aos grandes empreendedores, às grandes empresas, e os micro ficam à deriva”, lamenta Ana Perroni. Na opinião dela, a ideia de incluir pautas voltadas para o empreendedorismo nas eleições deste ano e nas demais daqui para frente parece promissora. Segundo a empresária, ter candidatos e futuros gestores que olhem por esse público pode fazer toda a diferença.

“Acredito que eles devam incluir essas pautas, sim. Nessa pandemia, muita gente fechou as portas e as grandes empresas tiveram mais auxílio, até com perdão de dívidas. Muitos de nós nadam contra a maré para conseguir sobreviver.”

Em setembro, o Sebrae lançou, com ajuda de parceiros, um guia para incentivar a inclusão dessas pautas nas campanhas eleitorais e nos mandatos. A ideia do documento “Seja um candidato empreendedor – 10 dicas do Sebrae” é inserir assuntos voltados para esse segmento, tendo como um dos objetivos fazer a economia local girar.

Dentro das dicas, o Sebrae sugere algumas ações como gerar empregos; mobilizar lideranças; desburocratizar e simplificar para MEIs, micro e pequenos negócios; comprar nos municípios; incluir empreendedorismo nas escolas; qualificar quem mais precisa; fortalecer a identidade do município e as vocações econômicas locais; incentivar a cooperação, e promover inovação e sustentabilidade.

O documento é uma iniciativa do Sebrae com apoio da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa, da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), do Instituto Rui Barbosa, com a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público, e da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil.

Parcerias

Outras soluções voltadas para inserção de MEIs, micro e pequenas empresas estão nas parcerias firmadas pelo Sebrae e renovadas nos últimos 2 anos na gestão Carlos Melles. Só com o governo federal, o Sebrae tem 41 firmadas, chegando a R$ 826 milhões em investimentos. O Ministério da Economia foi a pasta que mais contou com o apoio da entidade, com 18 ações conjuntas em desenvolvimento e um total de R$ 510 milhões aplicados.

O Inovativa Brasil é um desses investimentos. A ação é o maior e mais abrangente programa de aceleração de startups do Brasil, oferecendo capacitação, mentoria, conexão e visibilidade a empreendedores inovadores – tudo de graça. Desde 2013, ano de lançamento do programa, mais de mil negócios foram atendidos pela iniciativa. Aqui, o aporte do governo federal chega a R$ 1,4 milhão.

Compras governamentais e ações como Portal do Empreendedor, Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim) e o e-Social são as que mais movimentam a parceria. Juntas, as iniciativas chegam a representar mais de R$ 22,8 milhões em recursos para MEIs, micro e pequenos negócios.

Em seguida, vem o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com sete parcerias e R$ 99 milhões de aporte. Um dos programas de maior destaque é o AgroNordeste, que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento econômico e social da região por meio de assistência técnica gerencial, capacitação empresarial para jovens no campo, transferência de tecnologia para produtores e participação de produtores em feiras, eventos e rodadas de negócios. Só essa ação envolve mais de R$ 88,8 milhões do total.

“O AgroNordeste visa uma orquestração de esforços de diversos agentes que promovem o desenvolvimento rural e sustentável no Nordeste brasileiro, mais o norte do Espírito Santo e de Minas Gerais, no sentido de levar aos produtores rurais uma melhor condição de performance da propriedade rural, melhorando qualidade de vida, aumentando a renda, implementando um processo de produção mais limpo e sustentável para a região”, explica o secretário-adjunto da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa e diretor-geral do AgroNordeste, Pedro Correa.

Os ministérios do Turismo; da Ciência, Tecnologia e Inovação; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; do Desenvolvimento Regional; de Minas e Energia, do Meio Ambiente e a Secretaria Geral da Presidência da República completam a lista de parceiros do Sebrae.

Instagram

Extranet

Extranet

AGE Consulting

Registro no CRC-PE sob o nº. 00437/0-0

Rua Doutor Virgilio Mota, nº. 70- Parnamirim - Ver Mapa
Recife/PE - CEP: 52060-582
T +55 (81) 3421-2078